Noticias

2018


Academia Equestre J Cardiga com 7 atletas no ranking internacional

São sete, os atletas, de Equitação, da Academia Equestre João Cardiga, com e sem deficiências, que integram as listagens do ranking da FEI-Federação Equestre Internacional (www.fei.org).

Na disciplina de Dressage, no escalão Júnior FEI, surgem; Beatriz Gonçalinho/Dante (401ª posição), Rita Rodrigues/Festina 31 (402ª), Carolina Gonçalinho/Bingo (417ª) e Beatriz Reto/De Plaisir, a melhor posicionada (173ª posição) e pré-selecionada pela FEP - Federação Equestre Portuguesa, para uma eventual participação, em representação de Portugal no Campeonato da Europa de Ensino a realizar em Fontainebleau (França) de 7 a 15 de Julho de 2018.

Na disciplina de Pradressage (Equitação Adaptada), estão; Inês Alemão Teixeira/Giraldo da Sernadinha (16ª posição do grau III e 66ª na geral), Sara Duarte /Daxx du Hans (14ª posição do grau II e 85ª na geral) e José Neves/Vendetto (27ª posição do grau I e 128ª da geral), também estes elegíveis para uma possível participação no FEI WORLD EQUESTRIAN GAMES que se realizará em Tryon - USA de 11 a 23 de Setembro 2018.

Segundo a direção da Academia:

- "O projeto de inclusão desportiva, "Equitação Para Todos", tem como um dos objetivos desportivos, a preparação de cavalos e cavaleiros para o que designamos por "caminhada olímpica e paralímpica". Ora com a entrada no ranking FEI destes 7 conjuntos, podemos afirmar que esta visão, está cada vez mais clara.

Quando em 2012, iniciámos a 1ª edição do trofeu Dressage Poneis, lançámos a semente desta realidade. Esta equipa e 4 atletas, iniciou o seu percurso nesta altura. Podemos afirmar que a Dressage Poneis é, pois, um projeto bem sucedido.

Quanto à Paradressage, apesar de todas as dificuldades nesta área, conseguir uma equipa de 3 conjuntos no ranking mundial é um feito, só possível, devido à continuidade do apoio dos Jogos Santa Casa, desde 2015 e mais um motivo para estarmos muito satisfeitos com o trabalho desenvolvido". Conclui Maria de Lurdes, presidente da direção da AEJC.

O que é a Paradressage?

A Equitação Adaptada insere-se na modalidade de Ensino ou Dressage. Destina-se a pessoas com deficiências físicas e consiste, basicamente, em provas de ensino adaptadas ao grau de capacidade de cada atleta, que fazem parte dos Jogos Paralímpicos.

O campeonato é composto por provas que os atletas disputam segundo o seu grau de limitação física, através de uma avaliação funcional feita por fisioterapeutas.

Os cavaleiros são avaliados por fisioterapeutas e de acordo com o perfil de capacidades de cada um, são colocados em diferentes graus. Existem 5 graus: Ao grau 1 e 2 a que correspondem exercícios a passo e/ou trote, o Grau 3 exige exercícios nos três andamentos (passo, trote e galope) e o Grau 4 e 5 exige trabalho em duas pistas (ladeares, espáduas-a-dentro, etc.), portanto uma prova com um razoável nível de dificuldade. Este grau (5) destina-se a pessoas com deficiências consideradas menores e a exigência em termos de equitação é muito maior.

A Paradressage é tão, ou mais importante que a dressage, o rigor de exigência é absolutamente igual. Nas duas disciplinas o objetivo é alcançar a perfeição. Isto é, o entendimento perfeito entre dois seres

JOGOS SANTA CASA UM APOIO FUNDAMENTAL

Os Jogos Santa Casa são o principal patrocinador da Academia Equestre, centralizando este apoio aos atletas da "Cardiga Paradressage Team". Sara está a caminho de Tóquio 2020, naquela que será a sua terceira participação olímpica.

A Academia Equestre João Cardiga possui um ambicioso projeto desportivo de âmbito internacional, denominado "Cavalgar até Tóquio 2020". O objetivo principal deste projeto passa por preparar, e qualificar, a sua equipa de sete cavaleiros de Paradresage, a maioria com paralisia cerebral, para os Jogos Paralímpicos de 2020, que se realizam em Tóquio.

Ao longo desta parceria, verificaram-se diversas situações em que a prestação dos atletas foi abalada por situações contextuais.

De forma a ser dada uma resposta a estas necessidades específicas dos atletas, os Jogos Santa Casa promoveram um protocolo pioneiro entre o Hospital de Sant'Ana e a Academia Equestre João Cardiga. Através deste protocolo, o Hospital passou a fornecer acompanhamento especializado de psicologia desportiva aos atletas de Paradressage da Academia Equestre João Cardiga.

"Um apoio fundamental"

A primeira atleta a usufruir deste apoio foi Sara Duarte, que foi acompanhada, nos últimos seis meses, por Valdemar Barbosa, psicólogo do Hospital de Sant'Ana.

Sara Duarte tem 34 anos e é portadora de Paralisia Cerebral. Teve, por indicação médica, o seu primeiro contacto com o hipismo aos 7 anos, ao experimentar a hipoterapia (terapia que tem por base a convivência entre a pessoa e o cavalo). Desde então que nasceu e cresceu a sua paixão pelos cavalos e pela equitação, bem como a aptidão para o desporto.

Aos 15 anos começou a praticar Paradressage e aos 24 anos teve a sua primeira experiência olímpica com os jogos de Pequim em 2008. É atleta paralímpica de paradressage/ equitação adaptada, do grau 2. Está na caminhada paralímpica para as suas terceiras olimpíadas e assim vai representar uma vez mais Portugal, nos próximos Jogos Tokio 2020.

É uma cavaleira de sucesso e foi sempre muito disciplinada ao conseguir manter os estudos e a prática desportiva. Mestre em Ciências Farmacêuticas, consegue conciliar a sua profissão de técnica farmacêutica com a prática da modalidade.

Sara acredita que é "fundamental ser acompanhada por um especialista na área da psicologia desportiva. Andava à procura há uns tempos e o apoio dos Jogos Santa Casa tornaram possível o preenchimento desta lacuna que sentia, espero vir a ter uma prestação mais focada, atingir os meus objetivos e praticar uma competição mais saudável".

Fundamental é também o adjetivo encontrado por Valdemar Barbosa para falar sobre a importância de um acompanhamento constante a estes atletas: "Não se pode propriamente chegar a um ponto em que se diz, este atleta está trabalhado e não necessita de mais acompanhamento. Tal como o trabalho, do treinador e do preparador físico, o do psicólogo deve seguir uma linha contínua no tempo. Há sempre situações novas no dia-a-dia dos atletas que devem ser constantemente trabalhadas (restabelecimento de objetivos, controlo das atividade diárias, gestão de lesões, gestão de expectativas, etc.)".

[https://imgs.santacasa.viatecla.com/share/2018-05/2018-05-08100214_f7664ca7-3a1a-4b25-9f46-2056eef44c33$$f45b2c1a-b8ce-447e-ae0f-cb144b0df8ff$$22329306-3023-46DD-9E6C-081677EBB4A9$$storage_image$$pt$$1.jpg]

Desde que começou a ser acompanhada pelo psicólogo do Hospital de Sant'Ana, a atleta sente que dá mais atenção a detalhes de preparação física, "faço um trabalho de interiorização das minhas capacidades físicas, emocionais, e tenho aprendido a tomar consciência e a arranjar alternativas", refere.

A vertente motivacional do projeto é enaltecida por Valdemar Barbosa. O psicólogo defende que este protocolo "é da máxima importância, principalmente, porque esta relação de cumplicidade origina uma situação muito relevante para o desempenho de atleta, a confiança. A atleta que confia 100% no seu cavalo, isto é, que sabe que ele é capaz de realizar as tarefas que se lhe pedem, é uma atleta mais preparada para a realização de qualquer prova, uma vez que estará mais focada nos aspetos controláveis da competição".

Uma das características do Paradressage é a relação emocional entre o atleta e o cavalo. Sara Duarte lembra que "no contexto desportivo de alta competição, o reforço da intervenção da psicologia desportiva é fundamental para a melhoria da performance e para um aumento da intensidade da relação entre cavalo e atleta".

A atleta confidencia que sentiu "muita dificuldade em superar a perda do meu cavalo "Napolitano", mais tarde, percebi que que quando o perdi, "eu sabia ganhar, mas não sabia perder" e enquanto atleta de alta competição tive que aprender a saber perder para voltar a ganhar e querer criar uma relação forte e de cumplicidade com o meu novo cavalo "Daxx Du Hans". Hoje, acho que estou no bom caminho!", diz confiante.

O desafio que se avizinha no horizonte são os Jogos Tokio 2020. Valdemar Barbosa acredita que com o trabalho desenvolvido "a atleta chegará a Tokio a conhecer-se melhor, enquanto competidora, e saberá lidar melhor com os fatores de stress inerentes à competição. Terá rotinas psicológicas que a ajudaram a preparar melhor as provas, saberá controlar melhor a sua ansiedade e apreciar mais a situação competitiva".

Sara aponta ao pódio naquela que será a sua terceira participação olímpica: "Enquanto atletas, temos o sonho de alcançar as medalhas, no entanto, obter o 5º lugar em Pequim, foi quase como chegar à medalha! Atualmente sinto-me mais forte, confiante e sei que tenho um bom cavalo, com bom nível e apesar de sabermos o nível da concorrência internacional, e de eu ocupar o 11º lugar no Ranking Mundial, do grau2, do FEI (Federação Equestre Internacional), a nossa equipa trabalha arduamente e diariamente para ambicionar a medalha", conclui.

8 de maio de 2018


"Jogos A cavalo" unem Centro de Medicina de Reabilitação de Alcoitão e a Academia Equestre João Cardiga

No próximo dia 29 de Março, pelas 12h00, a Academia Equestre João Cardiga (AEJC), acolhe mais um grupo de utentes do Centro de Medicina de Reabilitação de Alcoitão (CMRA), que integram o programa "Jogos a Cavalo", cujo principal objetivo é facultar sessões gratuitas de Equitação Terapêutica a utentes do Centro de Medicina de Reabilitação de Alcoitão (CMRA.

"Jogos Acavalo" é uma experiencia piloto, que dará a possibilidade a cerca de uma centena de pessoas com deficiência, de conhecerem e experimentarem a Equitação. Neste dia, conta-se com a presença de pessoas que apresentam patologias diversas, tais como; Lesões vertebro medular, tetraparesia, autismo, etc.

Ao longo dos 25 anos de trabalho da AEJC, no âmbito da Equitação inclusiva - "Equitação Para Todos" e da Equitação desportiva de competição (Paradressage), esta instituição sabe melhor que ninguém, que a escassez de oportunidades, para a prática equestre desportiva adaptada é uma realidade nacional, que importa reverter. Impõem-se transformações no sentido de impulsionar o desporto equestre adaptado, bem como o acesso aos benefícios da equitação a TODOS. Comungando dos mesmo valores, a AEJC, em parceria com os Jogos Santa Casa, criaram este projeto, durante o período experimental de um ano.

A iniciativa tem como principais objetivos: Dar a conhecer a Equitação Terapêutica e Desporto Equestre Adaptado aos utentes do CMRA; Sensibilizar para o potencial da equitação como atividade desportiva; Sensibilizar para a Equitação quanto ao seu potencial terapêutico, em termos motores, motivacionais, educacionais e/ou recreativos para melhorar a qualidade de vida e Promover a equitação inclusiva e também servirá como modelo de captação de novos talentos para a equitação desportiva.


Academia Equestre João Cardiga prossegue na "caminhada olímpica e paralímpica"

com o apoio dos Jogos Santa Casa

Um grupo de seis atletas, com e sem deficiências, da Academia Equestre João Cardiga, vai participar no CDN e CPDN-Concurso de Dressage e Paradressage Nacional, que se realizará nos dias 17 e 18 de Março, na Costa do Estoril.

A representar a Academia J Cardiga estarão os seguintes conjuntos:

Pelo Cardiga Paradressage Team, Sara Duarte/Daxx du Hans, Grau II, Inês Alemão Teixeira/Giraldo da Sernadinha, Grau III, José Neves/Vendetto C e Rita Lagartinho/Oposta de Foja, ambos do Grau 1. Rita Rodrigues/Festina 31 e Beatriz Reto/De Plaisir, competem no escalão Júnior FEI, representando o Cardiga Dressage Team.

João Pedro Cardiga, diretor desportivo do Clube, assume a chefia das equipas, contando com o importante apoio do treinador adjunto João Monteiro.

A Academia Equestre João Cardiga é a única instituição equestre em Portugal, que pode afirmar-se como pioneira na formação de atletas olímpicos e paralímpicos, tornando-se, assim, um verdadeiro exemplo da inclusão, pelo desporto equestre.

A formar atletas de competição, com e sem deficiências, desde 93, em 2017 a Academia aprovou com nota máxima, 6 atletas no exame de Sela 7, classificação que lhes deu acesso às competições internacionais - o primeiro passo para a longa caminhada "olímpica", que espera alguns destes jovens.

Na caminhada paralímpica, a Academia iniciou em 2015, o projeto "Cavalgar até Tokyo 2020", para o qual conta com o apoio dos Jogos Santa Casa, como patrocinador principal. Este ambicioso projeto pretende qualificar uma equipa de 3 a 4 conjuntos que garanta a presença de Portugal no expoente máximo da competição desportiva - as paraolimpíadas.

Paralelamente, a Academia prossegue o seu trabalho na formação desportiva de competição com mais de uma dezena de mini-atletas dos 6 aos 15 anos de idade, a competir a nível nacional, nos escalões infantis, iniciados e juvenis, na disciplina Dressage PONEIS. O Trofeu Dressage Póneis terá inicio no dia 29 de Abril.

Dado o carater inclusivo da Academia, os atletas com deficiência intelectual não ficam de fora. A primeira prova do Special Olympics Equitação que se realizará dia 18 de Abril em Setubal contará, como habitualmente, com um significativo grupo.


15º Concurso Especial de Dressage, Paradressage e Ensino de Equitação de Trabalho

O calendário desportivo 2018, da Academia Equestre João Cardiga-AEJC, em Barcarena, abre dia 14 de Janeiro com o 15º Concurso Especial de Dressage, Paradressage e Ensino de Equitação de Trabalho, este ano aberto também a atletas externos.

Os Concursos Especiais, são eventos desportivos onde a INCLUSÃO é uma das principais finalidades.

Avaliar da qualidade da formação que está a ser dada aos alunos, treinar para as provas oficiais e/ou os exames de sela, criar a oportunidade de testar o gosto pela competição, são também objetivos destes Concursos.

Nestas provas os alunos da Academia, deverão ainda obter os mínimos que lhes permitam, futuramente, participar em competições externas. Desta forma, pretende a direção da AEJC elevar o nível de qualidade da sua Divisão de Desporto e Competição.

Refira-se, ainda, que em 2017 participaram 216 alunos, com e sem deficiência, numa demonstração clara da importância que estes concursos representam para os praticantes.

Paralelamente, decorre um Show Room com a presença de marcas que patrocinam o evento, nomeadamente, Mundo Da Equitação e By Mum´s Hand

As inscrições estão abertas até dia 10 de Janeiro. O 16ª Concurso Especial está agendado para dia 11 de Fevereiro.

Entrada livre para assistir!


SARA DUARTE, ATLETA DE PARADRESSAGE DA ACADEMIA EQUESTRE JOÃO CARDIGA, CONTA COM APOIO DO SCP- SPORTING CLUBE DE PORTUGAL, ATE 2020

Pela segunda vez, o Sporting Clube de Portugal, acolhe atletas da Academia Equestre João Cardiga. Depois de ter abraçado a equipa de Horseball em 2004, é agora a vez da Atleta paralímpica Sara Duarte, ser convidada a assinar contrato, para representar a marca.

Sara Duarte é atleta de Paradressage/Equitação Adaptada, do Grau 2 e treina na Academia Equestre João Cardiga, desde 1997, onde tem construído a sua carreira desportiva, com o apoio dos Jogos Santa Casa, principal patrocinador do Cardiga Paradressage Team..

A atleta e a sua equipa de trabalho esperam, agora, que esta parceria, venha contribuir para a sustentabilidade da sua carreira desportiva, cujo objetivo principal será representar Portugal nos Jogos Paralímpicos de Tokyo, juntamente, com os atletas incluídos no Programa "Cavalgar até Tokyo 2020".

Sara Duarte assinou contrato com o Clube Leonino até 2020.

www.facebook.com/cavalgaratetokyo2020

www.facebook.com/centro.equestre.joao.cardiga