Serviços

Saiba mais sobre as nossas especialidades e os serviços que disponibilizamos aos nossos clientes

Escola de Equitação

Desde a sua fundação a AEJC tem-se, mantido fiel à sua função formativa, numa perspectiva lúdica, pedagógica e social sempre no objectivo de cumprir a sua missão "apaixonar Portugal pela equitação".
As aulas de equitação cumprem esse objectivo e dirigem-se a jovens e adultos. Desde o Volteio até às aulas de Sela, cumprindo o programa de Formação de Praticantes da FEP-Federação Equestre Portuguesa. Aqui poderá iniciar um processo de aprendizagem e depois evoluir por objectivos fazendo os EXAMES DE SELA (da sela 1 à sela 9) e, se desejar escolher uma modalidade de competição. Também aqui existe espaço para participar nas exibições públicas preparadas por esta Academia.

Exames de Sela

As "Selas" são a designação oficial dos diferentes níveis de competências técnicas do praticante, comportado 9 níveis que vão desde a Sela 1 à Sela 9. O primeiro ciclo completa-se com a Sela 4 (estribo de bronze). Após completar este 1º ciclo o cavaleiro está apto a entrar em competições oficiais, se assim o desejar. 
Os Exames de Sela permitem ao aluno sistematizar a aprendizagem, estabelecer objectivos e concretizá-los. Permitem, também, aprofundar os conhecimentos em áreas que vão para além da prática equestre, como é o caso do maneio (manuseio e tratamento dos cavalos, dos arreios e das instalações) e da TEORIA (doutrina equestre, ministrada consoante as necessidades, antes, durante e após os exercícios da prática equestre).
Os Exames realizados na AEJC cumprem o POPE -Programa Oficial de Praticantes de Equitação, da FEP pois é uma Academia de Formação e Exame credenciada pela FEP e pala ENE que dispõe de técnicos credenciados para efectuar as avaliações. A partir de Sela 4 a FEP nomeia um juiz externo que será o Presidente do Juri.

Clube do Ponei/Troféu Dressage Póneis 

O Clube do Pónei representa a aposta da AJC na formação de crianças dos quatro aos doze anos. No Clube do Pónei as crianças podem aprender, brincando, os princípios básicos da equitação e, posteriormente, evoluir para a modalidade da sua preferência. A coordenação pertence ao Monitor Nuno Antunes, com o apoio da Joana Baião, Patricia Quintinha e Patricia Silva, que num ambiente alegre e descontraído lá vão motivando os seus pequenos alunos a lidarem, cada vez melhor, com os "cavalinhos miniatura". 

Ensino/Dressage

A Academia J Cardiga prepara atletas e cavalos para esta disciplina. A Escola possui técnicos credenciados e cavalos ensinados, para os diversos graus de competição, que permitem a evolução dos alunos.

O Ensino ou Dressage tem origem na palavra francesa dresser, que significa "treinar", é uma das três modalidades equestres olímpicas, regulada pela Federação Equestre Internacional (FEI). O objetivo geral da dressage é auxiliar o cavalo a desenvolver, através de diversos exercícios, a capacidade de executar todos os seus movimentos naturais, tornando-o um animal flexível, calmo, atento ao cavaleiro e, portanto, agradável de se montar. A elegância e beleza da Dressage fizeram com que esta disciplina equestre ficasse conhecido como "ballet a cavalo".

Ao contrário do que se pode inicialmente pensar, praticar Dressage passa sobretudo por treinar o cavaleiro mais do que o cavalo o que implica um profundo entendimento entre ambos. Alguns movimentos mais importantes são: Extensão - O cavalo alonga a extensão da passada, parecendo flutuar. Muito apreciada quando executada no trote. Movimentos laterais - O cavalo geralmente encontra-se a andar para a frente e troca passando a andar para o lado. Pirueta a Galope - O cavalo roda sobre o seu membro posterior interno, completando um círculo. Este movimento é extremamente complexo e de difícil execução. Piaffer - O cavalo trota sem sair do lugar. Entre a troca dos membros, o cavalo deve elevar-se completamente do chão. Passage - É um trote lento que o cavalo fazer em linha recta. O cavaleiro deve controlar a velocidade empregue pelo cavalo.

Equitação Adaptada/Paradressage

A Equitação Adaptada é uma das valências da Equitação com Fins Terapêuticos, cujos objetivos são sobretudo lúdicos e/ou desportivos tornando-se, assim, na Paradressage. O expoente máximo da disciplina é atingido nos Jogos Paralímpicos (atletas com deficiência motora).                                                                                Nesta disciplina, são utilizados todos recursos que a equitação formal dispõe (aprender a montar, limpar cavalos, aparelhar, ...) como forma de desenvolver capacidades necessárias à autonomia dos indivíduos. É utilizada para pessoas com limitações físicas de diferentes níveis, que tenham pelo menos alguma capacidade de interacção com o meio. A equipa é formada por Treinadores de Equitação e técnicos de saúde com formação nesta área. Na Academia João Cardiga os treinos são muitas vezes realizados em conjunto com alunos da equitação geral pois, o objectivo é promover a interacção e a integração de pessoas diferentes e também a diminuição dos preconceitos em relação a elas.

Em 2014, a AEJC fez a apresentação publica de uma equipa constituída por seis elementos, designada por CARDIGA PARADRESSAGE TEAM.

Equitação de trabalho

A Equitação de Trabalho é uma modalidade equestre baseada na equitação tradicional de cada país, mantendo e conservando as suas diferentes tradições, nomeadamente no uso do traje e arreios tradicionais. Foi concebida para destacar o tipo de "monte" utilizado nas diferentes vertentes do trabalho de campo.

Em 1997, foi organizado o II Campeonato da Europa de Equitação de Trabalho, que, além dos países fundadores (Itália com os "maremenhos", França com os "cavaleiros camargueses", e Espanha com a "doma vaquera") contou com a primeira participação de Portugal com os cavaleiros da Equitação Tradicional Portuguesa. (in site FEP), sendo o cavalo Lusitano é dos mais apreciados para esta disciplina.

Esta é a disciplina que está no ADN do fundador da Academia - João Cardiga - que fez a sua primeira prova em 1994. João Pedro Cardiga deu continuidade durante alguns anos, seguido de vários alunos. Após uma interrupção a disciplina é retomada em 2015, tendo no ano de 2017 ganho o campeonato regional centro e o campeonato regional da Moita.

Hipoterapia

Os objectivos são neuromotores específicos e prioritários, no que diz respeito ao processo de reabilitação do indivíduo. É uma abordagem de orientação clínica que é conduzida por profissionais de saúde com o apoio de instrutores de equitação e cavalos treinados para o efeito. O objectivo é retirar contributos da reabilitação através do movimento do cavalo e não o ensino equestre (FRDI cit APPC, 2003). Esta disciplina está indicada para indivíduos com limitações severas e com pouca capacidade de interacção com o meio envolvente e marca a consciência social e terapêutica como uma prioridade para os responsáveis do AJC. O autismo, sindroma de Down, distrofia muscular e doenças neurodegenerativas contam-se entre as patologias passíveis de serem acompanhadas por esta modalidade. Nesta valência é obrigatório que o acompanhamento dos alunos seja feito por um fisioterapeuta da instituição.

Equitação Adaptada/Lúdica

Os objectivos são de lazer e ou de competição. O técnico responsável é o Treinador de Equitação. Nesta abordagem, treinador e cavaleiro trabalham para desenvolver competências equestres no intuito de englobarem uma variedade de situações tais como o lazer, aumentar a forma física, a solidificação da auto-estima e do espírito competitivo (FRDI cit APPC, 2003).

Equitação terapêutica

São referidos objectivos psicomotores, mais direccionados para necessidades especificas da área educacional, psicológica ou cognitiva. Aqui podem ser contemplados progressos na aprendizagem da equitação. O responsável é o técnico de saúde (psicomotricista) que trabalha em estreita parceria com todos os intervenientes no processo de reabilitação (educadores, psicólogos e terapeutas), no sentido de definição de objectivos (FRDI cit APPC, 2003). 

Principais benefícios:                                                      Neuromotores; Emocionais; Cognitivos; Linguagem;  Sociais 

Special Olympics Equitação

"Deixem-me vencer, mas se não conseguir vencer, deixem-me enfrentar o desafio corajosamente" 

Actividade equestre desportiva dedicada a pessoas com deficiências intelectuais. Os atletas competem de acordo com o seu nível, sendo este avaliado por um conjunto de técnicos, na primeira fase da competição, designada Divisionning. Posteriormente, cada atleta fará uma prova, tipo gincana, designada Work Trail. Este método permite a participação de todos os atletas.
Estas provas oferecem aos atletas a oportunidade de realizarem o seu potencial, através de uma atividade desportiva que proporciona benefícios ao nível da auto-realização e permite uma maior inserção na estrutura familiar e social. 
 A AEJC acolhe este tipo de competição desde 2012, com a organização do 1º Campeonato Nacional SOE (Special Olympics Equitação). Desde então, as competições têm assumido um carácter regular por todo o País.

Programas de férias - Colónias

Programa de férias, para crianças e jovens, dos 7 aos 14 anos, que terá lugar nas férias de Páscoa e verão, tendo por base, atividades de equitação, realizadas com o objetivo de proporcionar aos participantes o desenvolvimento das suas potencialidades, ensinando padrões de comportamento como: "ajudar, aceitar ser ajudado, aceitar as próprias limitações e respeitar as limitações dos outros".

Trata-se de uma colónia externa, lúdico-pedagógica, que promove múltiplas atividades, das 9h00 às 18 horas. As atividades baseiam-se no curso básico de equitação desde a iniciação à Sela 4 e incluem todo o maneio de cavalos e póneis. O programa inclui, ainda, algumas atividades complementares como por exemplo; passeios a cavalo, gincanas e Iniciação ao Xadrez.

Descarregue a ficha de inscrição e devolva-nos preenchida para o nosso email. Se precisar de transporte, tambem disponibilizamos esse serviço. Consulte-nos.